Distrito Federal vence nos pênaltis e é Bi-Campeão Brasileiro de Árbitros

São Paulo, 10/12 - O encerramento do III Campeonato Brasileiro de futebol para árbitros de futebol, realizado em São Paulo, definiu o time do Distrito Federal como campeão da competição. Foi o segundo consecutivo, mas para ganhar a equipe do planalto central precisou suar muito. O time jogou 65% da partida com um jogador a menos e mesmo ficando atrás do marcador por duas vezes, conseguiu a façanha de buscar o empate e, nos pênaltis, garantir o bicampeonato da competição. Agora o Distrito tem dois títulos e São Paulo um, justamente o primeiro disputado em Brasília em 2005.

O jogo
A partida começou bastante estudada com as duas equipes se poupando em razão do forte calor da manhã paulistana.  Mas foi o Pará quem tentou correr mais em busca do gol e a primeira chance veio após levantamento na área que obrigou o goleiro Emanoel desviar e mandar para escanteio. Depois disso o time do Distrito Federal se acertou em campo e em dois lances seguidos quase abriu o marcador. No primeiro a zaga travou um chute certeiro do atacante Felipe Prosinha e no segundo Luís Paulo cabeceou firme no canto alto direito, mas o goleiro Everton fez linda defesa e evitou o gol.
O jogo seguia tranquilo até que, aos 26 minutos, o goleiro Emanoel, do Distrito Federal, fez uma falta na entrada da área para evitar o gol paraense (foto abaixo) e foi expulso de campo de maneira acertada pelo árbitro Everton Fabiano Paulo. Gustavo bateu firme no canto esquerdo, mas Zé Ricardo, que foi para o gol em lugar de Emanoel, fez boa defesa mandando para escanteio. Com um a mais, o gol foi questão de tempo.

Aos 28 minutos Gustavo foi lançado nas costas da zaga e na saída do goleiro, já quase na pequena área, tocou por baixo para fazer 1 a 0 Pará. Depois disso o jogo ficou nervoso e o árbitro Everton Fabiano Paulo distribuiu mais oito cartões amarelos, quase todos por reclamação ou jogadas violentas.

Segundo Tempo
O jogo recomeçou com posturas diferentes. O Pará recuado para garantir o resultado e o DF, mesmo com um a menos, se arriscando mais. Com isso logo aos dois minutos Marcelo Rudá empatou a partida depois que Jonathan saiu driblando pela esquerda e cruzou rasteio para o atacante que estava livre no meio da área. Após receber, Rudá só ajeitou e bateu de perna esquerda no canto direito do goleiro.

O time paraense sentiu o gol e não soube aproveitar a superioridade numérica de um jogador em campo. Mas isso durou até os 32 minutos, quando, após cruzamento da esquerda em rápido contra ataque, Gustavo usou a cabeça dentro da pequena área (foto abaixo) para desviar no canto direito do goleiro para fazer 2 a 1 e colocar o Pará novamente em vantagem.

O gol parecia ter dado números finais à partida, porém, a emoção ainda não tinha acabado. Quatro minutos depois e já nos acréscimos, o Distrito Federal ganhou um escanteio pela esquerda.  Marco Antônio bateu no primeiro pau e em curva, e ninguém cortou. A bola estava entrando, mas o goleiro Everton tentou cortar jogando a bola contra seu próprio patrimônio. O árbitro preferiu marcar gol de Marco Antônio e o DF conseguiu o empate mandando a decisão para os pênaltis.

Pênaltis
O Pará mais uma vez acusou o baque de ter sofrido o gol no final do jogo e foi para as penalidades de cabeça baixa, tanto que perdeu as três tentativas, enquanto o Distrito Federal, que bateu quatro vezes, marcou três gols e ficou com o título do III Campeonato Brasileiro de Futebol para árbitros de futebol.



ENQUETE

Árbitro de Futebol, Prestador de Serviço Autonômo, o que NECESSITA melhorar no exercicio de nossa profissão ?

SEGURANÇA
TAXAS, DIARIAS, PASSAGENS , RECOLHIMENTOS DO INSS
CONDIÇÕES DE TRABALHO (CAMPO DE JOGO, VESTIARIOS , UNIFORMES )
ATUALIZAÇÕES DAS REGRAS DE JOGO
Resultados

TEMPO